Ademas Gomes: Da simplicidade de Andradina para brilhar nos tribunais





O advogado Ademar Gomes, presidente vitalício do Conselho da Associação dos Advogados Criminalistas do Estado de São Paulo é um andradinense apaixonado por sua cidade. Embora radicado em São Paulo há mais de 50 anos, o advogado não esquece a sua infância humilde, "mas muito feliz", como faz questão de ressaltar, na cidade interiorana. O antigo engraxate e carregador de bagagens de quem chegava na estação ferroviária é hoje um profissional respeitado e comanda uma equipe numerosa de advogados. Sua empresa, na Avenida Brasil, região dos Jardins, assessora mais de 300 empresas de grande porte e atua em quase 9 mil processos no judiciário.

O garoto Ademar era filho de barbeiro e dona de casa. Ele nasceu em 21 de março de 1943. O salão de seu pai era na Rua Sergipe (hoje Alexandre Salomão). Nesta rua, próxima à estação ferroviária, havia muitas pensões. Além de engraxate, o ativo garoto, já no início da década de 1950, aproveitava o intenso movimento da estação e carregava bagagens, também para faturar alguns trocados.

Foi neste meio típico de cidade em fase de colonização que Ademar nasceu e passou os primeiros anos. Mesmo trabalhando, não deixava de ser criança, com brincadeiras típicas, como soltar pipa, jogar bolinha de gude e machucar o pé jogando futebol nas ruas empoeiradas da cidade que nascia.

"Aos 13 anos fui ser contínuo no banco Noroeste e aos 17 anos, ou seja, em 1960, fui transferido para São Paulo.
Nunca me envergonhei da minha origem, em todas as palestras que realizo tenho a honra de falar da mesma com orgulho, inclusive de minha querida Andradina".

Já em São Paulo e como funcionário do Banco Noroeste, em 1963 formou-se em técnico de contabilidade e, em 1975 em Direito. "Sempre tive vocação pelo Direito e, principalmente pela área criminal, pois entendo que o advogado não defende o crime, mas sim a aplicação justa da Lei", diz Ademar depois de tantos anos dedicando-se ao Direito.

"Iniciei minha carreira na chamada “Clínica Geral”, tenho experiência em todas as áreas, pois sou apaixonado pelo Direito. Hoje me dou ao luxo de só atuar na área criminal. Porém, sou único titular de meu escritório que é composto por 63 funcionários nos quais 36 advogados, nove estagiários, secretárias, digitadores, recepcionistas, cozinheiras, faxineiras e seguranças, todos regidos pela CLT", diz o advogado, explicando que atualmente o seu escritório assessora mais de 300 empresas de porte grande e é titular de quase 9.000 ações em trâmite no Judiciário.

ACRIMESP

Em 1992, Ademar Gomes foi eleito secretário geral da Acrimesp e o presidente era o atual presidente da OAB/SP Dr. Luiz Flavio Borges D’Urso e, em 1994 foi eleito presidente, administrando a associação por três gestões consecutivas, até 2005. "Em 2006 fui eleito presidente do Conselho e em 2007 em Assembleia Geral fui eleito presidente vitalício do Conselho, atuando até hoje".

CASO ESPECIAL
Ao longo de quase quatro décadas de atividade profissional, Ademar Gomes atuou em centenas de casos de grandes repercussões. Mas um caso marcou a sua vitoriosa carreira. "Um caso especial que marcou minha carreira foi no início dela. Em 1978, defendi um homem acusado de estuprar e matar uma criança. Na ocasião, ele foi preso acusado do crime, pois o mesmo havia confessado ser o autor para a polícia. E a sua esposa e filha eram seus acusadores. Ele alegava que havia discutido com a esposa e agredido-a na véspera deste crime. Sendo esta razão da acusação e que a mancha de sangue encontrada em sua cueca era sangue da mesma que estava menstruada. O inquerito policial foi muito mal feito e dada à minha habilidade profissional, o absolvi. Porém, decorridos uns cinco anos aproximados, os jornais noticiaram que aquele acusado fora preso em flagrante acusado de ter matado uma outra garota de 13 anos. Confesso que não consegui dormir ao ler este noticiário na imprensa, e fui ao Centro de Detenção para falar com o mesmo. Para minha surpresa ele me confessou que de fato havia matado aquela garota do crime que eu havia absolvido e que este crime que estava sendo acusado naquele momento era o terceiro que ele havia cometido. Ao ouvir esta confissão, fui para casa olhei para minhas filhas e chorei. Até hoje me sinto co-autor dos crimes que ele cometeu. Fiz inclusive tratamento para isto, pois coloquei um assassino em liberdade e logo após matou mais duas pessoas", recorda emocionado o advogado criminalista.

SOSSEGO

Atualmente com 68 anos, Ademar Gomes se sente um homem quase realizado, "pois consegui quase todos os meus objetivos que sempre almejei, sempre gostei de passear, conheço o Brasil de ponta a ponta e 57 países do mundo, mas não consigo me imaginar sem trabalhar".

Sobre o time do coração, ele não esconde. "Os meus amigos sempre dizem que eu tenho um grave defeito que é ser corintiano porém, eu acho que isto é uma virtude de um homem sofredor".

FAMÍLIA

"A minha esposa também é de origem humilde e pobre. Ela se formou na mesma época que eu, ela se chama Fatima e só cuida das finanças. Tenho três filhas e somente uma casada, a qual me deu um neto que atualmente tem 6 anos. Meu genro é um alto empresário. Minhas filhas, uma é psicóloga e outra arquiteta. Por esta razão não sou um homem totalmente realizado na vida, tem época que entro em depressão, pois não me conformo em não ter um sucessor para deixar todo este meu legado e dar continuidade a um trabalho idealizado a vida inteira", concluiu o renomado criminalista.





Comentários